terça-feira, 11 de agosto de 2009


Plantio

Achei que podia colher versos,
como quem cata do chão
pedaços de si mesmo.
Ou quem sabe,
como o plantador,
que levanta da terra
o trigo.

Triste ilusão a minha:
descobri na tarde ensandecida,
que nada mais sei de arte alguma.
E ainda menos desta,
de colher a vida nas mãos
e depois plantá-la novamente
em sonhos.

Lívia Petry

2 comentários:

Joy Kwiat disse...

Que legal descobrir-te aqui no literário virtual ou virtualismo literal...kkk... mas sabe como te encontrei? pelo blog da Tiane, grande amiga da época da escola, não sabia que vocês se conheciam!

Estou te seguindo, vou te linkar, vai lá me ler quando tiver tempo, também brinco de encaixar palavras e sons!

Beijos!

Joy Kwiat disse...

A propósito, belo poema!

Postar um comentário

Comentários pertinentes e criativos sempre incentivam e proporcionam a evolução.